CAPlTÃO VAl ATRÁS! Perseguição P0LÍTlCA, Sensitiva Abriu o Tarô | 20/05/2024

Após ter novo pedido de liberdade negado Filipe Martins se pronuncia e diz ser preso político! 

O tratamento dispensado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, ao ex-assessor especial para Assuntos Internacionais do ex-presidente Jair Bolsonaro, Filipe Martins, é um retrato preocupante da instrumentalização política do poder judiciário no Brasil. Martins, que se considera um "preso político", teve seu pedido de soltura negado por Moraes no último dia 10 de maio, prolongando uma prisão preventiva que já dura mais de 100 dias. 

Martins foi preso preventivamente em 8 de fevereiro durante a operação Tempus Veritatis, sob acusação de integrar o "núcleo jurídico" de um grupo que tentou realizar um golpe de Estado após as eleições de 2022. No entanto, ele argumenta, através de sua defesa, que as razões de sua prisão são políticas e não jurídicas, uma percepção que ganha força diante da recusa repetida de sua libertação, mesmo diante de provas que, segundo sua defesa, justificariam sua soltura.


 O ministro Alexandre de Moraes, ao negar mais uma vez a soltura de Martins, parece estar seguindo um padrão de decisões que desconsideram o princípio do devido processo legal. A manutenção prolongada da prisão preventiva, em face de evidências que, supostamente, favoreceriam a defesa de Martins, levanta sérias questões sobre a imparcialidade e a legalidade das ações do STF. Se as alegações de Martins são verídicas, estamos diante de um caso claro de abuso de poder judicial.


A prisão preventiva é uma medida extrema, destinada a casos onde há risco claro e iminente à ordem pública, à instrução criminal ou à aplicação da lei penal. No caso de Martins, o argumento de que ele representa tal risco não parece substanciado de forma convincente. O uso prolongado e aparentemente arbitrário da prisão preventiva pode ser visto como uma forma de punição pré-julgamento, algo que contraria os princípios basilares do direito penal e do Estado Democrático de Direito. 


A declaração de Martins, em nota enviada ao Estadão, ressalta que "a manutenção somente explicita ainda mais algo que, para mim e para minha defesa, já estava claro desde o início: as razões de minha prisão não foram jurídicas, mas sim políticas. Sou um preso político." Essa afirmação, aliada ao silêncio do STF sobre o assunto, pinta um quadro alarmante de um sistema judicial que, em vez de garantir justiça, parece estar sendo utilizado como ferramenta de perseguição política. 

Ao recusar comentar o caso, o STF deixa um vácuo de transparência que só serve para aumentar as suspeitas de irregularidades. A justiça deve não apenas ser feita, mas também parecer ser feita. O silêncio institucional, combinado com decisões judiciais que aparentam desconsiderar princípios fundamentais, mina a confiança pública no sistema judicial e na integridade das instituições democráticas.


Além disso, o papel do ministro Alexandre de Moraes neste contexto merece uma crítica particular. Moraes tem sido uma figura controversa, muitas vezes acusada de tomar decisões com viés político. Sua postura neste caso específico só reforça a percepção de que suas ações podem estar mais alinhadas com agendas políticas do que com a aplicação imparcial da lei. É imperativo que o judiciário brasileiro reavalie suas práticas e decisões para assegurar que estão em conformidade com os princípios da justiça e do devido processo. 

A prisão de Filipe Martins, sob as circunstâncias alegadas, sugere um desvio preocupante desses princípios. A liberdade e os direitos individuais não devem ser sacrificados em nome de interesses políticos, e qualquer indício de tal prática deve ser rigorosamente investigado e corrigido. Em resumo, o caso de Filipe Martins não apenas destaca uma possível injustiça individual, mas também um problema sistêmico no judiciário brasileiro. A atuação do ministro Alexandre de Moraes, ao negar repetidamente a soltura de Martins sem justificativas claras e convincentes, merece uma crítica robusta e uma revisão cuidadosa para garantir que o poder judicial opere dentro dos limites da legalidade e da imparcialidade.

CONFIRA O VÍDEO AQUI



Contato consultas com a Cigana Vênus
Whatsapp: (51) 9806-9062


COMPARTILHAR:

STF VAl TREMER! Musk e Barroso, Algo Grande, Pastor Sandro Atualiza | 19/05/2024

A Inapropriada Intervenção de Barroso nas Opiniões de Elon Musk.

A recente postura do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, ao criticar publicamente o empresário norte-americano Elon Musk, levanta questões preocupantes sobre a imparcialidade e a função adequada dos juízes em uma democracia. Barroso, em uma entrevista ao Financial Times, apontou Musk como parte de um movimento internacional de extrema direita que, segundo ele, busca desestabilizar democracias ao redor do mundo. 

Essa declaração é particularmente problemática vindo de alguém em uma posição de tamanha autoridade judicial. Primeiramente, é fundamental compreender o papel de um juiz em qualquer sistema democrático. Juízes são figuras que devem operar com base na imparcialidade e neutralidade, assegurando que suas decisões sejam fundamentadas estritamente na lei e nos fatos apresentados. Quando um juiz de uma das mais altas cortes do país expressa uma opinião tão contundente sobre um indivíduo, especialmente um que pode ser objeto de futuras deliberações judiciais, ele compromete a percepção de sua imparcialidade. 

As declarações de Barroso podem ser vistas como um pré-julgamento, o que é inaceitável em uma função que exige neutralidade. A crítica de Barroso a Musk, acusando-o de fazer parte de um "movimento internacional destrutivo de extrema direita", não só coloca em xeque a imparcialidade judicial, mas também tem o potencial de influenciar a opinião pública de maneira significativa. Em um mundo onde as redes sociais e a mídia têm um poder imenso sobre a formação de opiniões, as palavras de um ministro do STF carregam um peso que pode ser explorado politicamente. Os rivais de Musk poderiam usar tais declarações como uma ferramenta para desacreditar o empresário e suas iniciativas, independentemente do mérito real de suas ações ou intenções.


Além disso, a afirmação de Barroso ocorre em um contexto politicamente carregado. Ele fez suas críticas durante uma entrevista ao Financial Times, à margem de uma reunião de cúpula do J20, que reúne os chefes dos tribunais supremos do G20. Neste cenário, suas palavras adquirem uma dimensão ainda maior, impactando não apenas o Brasil, mas a percepção internacional sobre a neutralidade do sistema judiciário brasileiro. O problema se agrava quando consideramos a recente investigação da Polícia Federal sobre uma suposta tentativa de golpe após as eleições de 2022, e a inclusão de Musk em inquéritos que apuram ações de milícias digitais. 

A combinação dessas ações com as declarações públicas de Barroso poderia facilmente ser interpretada como uma perseguição política, manchando a reputação do sistema judiciário brasileiro como um bastião de imparcialidade. Adicionalmente, a crítica de Barroso sobre o uso da liberdade de expressão para promover "um modelo de negócio baseado no engajamento e, infelizmente, no ódio, no sensacionalismo e em teorias da conspiração" é um argumento que, embora válido em muitos contextos, deve ser manuseado com extremo cuidado por alguém em sua posição. A liberdade de expressão é um pilar fundamental da democracia, e a linha entre a crítica legítima e a censura pode ser extremamente fina. Um juiz do STF deve ser o primeiro a defender os direitos fundamentais, incluindo a liberdade de expressão, mesmo quando o conteúdo dessa expressão é controverso ou provocativo.


As declarações de Barroso também surgem em meio a uma polêmica sobre a regulação da internet no Brasil. Parlamentares ligados à direita bolsonarista retomaram os ataques contra o Projeto de Lei que visa regular o setor de 'streaming', destacando uma tensão já existente entre o poder judiciário e certos setores políticos e empresariais. Ao se posicionar de maneira tão clara contra Musk, Barroso arrisca exacerbar essa tensão, colocando em risco a harmonia entre os diferentes poderes do Estado. 

Em suma, a intervenção pública de Barroso nas opiniões de Elon Musk é inapropriada e potencialmente prejudicial. Um juiz deve sempre se esforçar para manter a aparência de imparcialidade e neutralidade, especialmente em questões que podem surgir perante o tribunal. As palavras de Barroso, embora possam ser bem-intencionadas, minam a confiança no sistema judiciário e abrem a porta para alegações de parcialidade e perseguição política. Para preservar a integridade do judiciário, é crucial que os ministros do STF se abstenham de comentários públicos que possam influenciar a percepção de sua imparcialidade e, por extensão, a legitimidade das suas futuras decisões.

CONFIRA O VÍDEO AQUI
Visite o canal do Pastor Sandro

Link: https://www.youtube.com/channel/UCzY4IvYwOgA4viaDdVNyfZQ

COMPARTILHAR:

AJUDA MEU DEUS! Após as Águas agora é TREM0R, Vidente Cigano Gritou | 18/05/2024

Aumenta o desespero! Tragédia em Caxias do Sul: Desespero e Luto Após Enchentes e Deslizamentos agora vem os tremores de terra.

A tragédia em Caxias do Sul deixou um rastro de desespero e tristeza entre os moradores. A terra tremeu na madrugada de segunda-feira, forçando as pessoas a abandonarem suas casas com medo de desabamentos. Nos bairros Madureira, Universitário e na região central, o medo era palpável à medida que os tremores eram sentidos.


O Corpo de Bombeiros, sobrecarregado, orientava a população a deixar suas residências ao menor sinal de rachaduras nas paredes ou vigas. Os chamados se multiplicavam, e os moradores buscavam desesperadamente por abrigo seguro. A perda de vidas humanas, como a de Luciano Henrique Santos Lacava, funcionário público que dedicou duas décadas à Codeca, atinge em cheio a comunidade. 

Seu trágico destino, soterrado nos escombros do complexo de britagem, ecoa a dor de uma cidade inteira. O prefeito Adiló Didomenico expressa a magnitude do desastre, evidenciando a devastação não apenas física, mas também institucional, com a destruição do complexo de britagem e da usina de asfalto.


A contagem sombria das vítimas continua a subir, enquanto famílias enfrentam a incerteza do paradeiro de entes queridos desaparecidos. A perda de vidas humanas é acompanhada pela destruição generalizada, deixando uma marca indelével na comunidade de Caxias do Sul e em todo o Rio Grande do Sul. O luto se mistura com a luta pela sobrevivência, enquanto as equipes de resgate trabalham incansavelmente para encontrar sobreviventes entre os escombros.

CONFIRA O VÍDEO AQUI

Contato do Cigano

Whatsapp: (48) 99144-5662

Whatsapp: (48) 99178-8723

Fone fixo: (48) 3039-5893

 Edição e texto: Theta Wellington
COMPARTILHAR:

SE PREPARE! Inelegibilidade Revertida, Cigana Sulamita Surpreende | 17/05/2024

Surge a brecha que os advogados de Bolsonaro podem usar para tentar reverter a inelegibilidade de 8 anos de Bolsonaro.

A decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de reverter a inelegibilidade do presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Leandro Grass, traz uma luz de esperança para o ex-presidente Jair Bolsonaro, que recentemente foi condenado pelo mesmo órgão e tornou-se inelegível por oito anos. Essa reviravolta no caso de Grass, que foi decidida de forma unânime, pode servir como um precedente importante para Bolsonaro buscar a anulação de sua própria condenação. 

Assim como no caso de Grass, a decisão do TSE de anular a inelegibilidade foi baseada na análise cuidadosa das provas apresentadas e na falta de evidências concretas de abuso dos meios de comunicação e disseminação de fake news durante as eleições. O relator do caso, ministro André Ramos Tavares, destacou que não foi possível comprovar as acusações de propaganda negativa contra o adversário, argumentando que as críticas feitas pelos condenados estavam dentro dos limites da disputa eleitoral.


Essa decisão demonstra que o TSE está comprometido em garantir um processo eleitoral justo e imparcial, onde as acusações de abuso e irregularidades são analisadas com rigor e baseadas em evidências sólidas. No caso de Bolsonaro, essa reviravolta pode representar uma oportunidade de reverter sua própria condenação e restaurar seus direitos políticos. 

É importante ressaltar que a decisão do TSE em favor de Grass não apenas traz esperança para Bolsonaro, mas também reforça a importância do devido processo legal e da presunção de inocência. Em um sistema democrático, é fundamental que as decisões judiciais sejam baseadas em fatos e evidências, e não em especulações ou interesses políticos.


Com base nesse precedente favorável, Bolsonaro e sua equipe legal agora têm uma base sólida para argumentar pela anulação de sua própria condenação. É um momento de otimismo e confiança de que a justiça prevalecerá e que Bolsonaro poderá recuperar seus direitos políticos para continuar servindo ao povo brasileiro. 

Enquanto aguardamos o desenrolar dos acontecimentos, é importante lembrar que a justiça é um processo contínuo e que todos têm o direito de uma análise justa e imparcial de seus casos. A decisão do TSE em favor de Grass é um lembrete poderoso desse princípio fundamental e oferece uma luz de esperança para todos os envolvidos.

Apenas para lembrar, Bolsonaro foi condenado por causa de uma reunião que aconteceu antes das eleições, e pelo que se sabe o TSE só age em período eleitoral.


CONFIRA O VÍDEO AQUI

🌻Clube Girassol Cigana Sulamita🌻

🌻Canal da Cigana Sulamita🌻
---------------------------------------------

Contato consultas com a Cigana Sulamita
Whatsapp: (13) 99103-1026
COMPARTILHAR:

MlTO VAl FALAR! Alta e FlM da Missão, Vidente Cigano Gritou | 16/05/2024

Garra e Coragem: Bolsonaro Prestes a Receber Alta após Internação de 13 Dias.

Jair Bolsonaro, ex-presidente do Brasil, demonstrou sua garra e coragem ao passar por mais uma internação e sair recuperado. Após quase duas semanas no hospital, enfrentando uma infecção de pele conhecida como erisipela e desconforto abdominal, Bolsonaro está prestes a receber alta e retornar a Brasília para continuar o tratamento em casa. 

Mesmo diante dos desafios de sua saúde, Bolsonaro manteve-se firme e determinado. Seu período de internação, inicialmente em Manaus e posteriormente em São Paulo, foi necessário para garantir a recuperação completa. Segundo informações de sua assessoria, o tempo de internação de 13 dias é considerado normal para casos dessa natureza.


A erisipela, uma infecção de pele causada por bactérias, é uma condição séria que demanda cuidados específicos. Graças ao tratamento médico adequado, Bolsonaro apresentou uma evolução clínica positiva, com melhora progressiva do quadro infeccioso na perna esquerda, região afetada pela doença. 

Sua determinação em seguir as orientações médicas e sua resiliência durante o período de internação são dignas de elogio. Essa situação de saúde também nos lembra da importância da prevenção e do cuidado com a saúde pessoal. A erisipela pode ser evitada com medidas simples, como manter a higiene corporal adequada e tratar ferimentos de forma eficaz. Bolsonaro, ao enfrentar esse desafio de saúde, serve como exemplo de como é fundamental cuidar de si mesmo para poder cuidar dos outros.


Apesar das adversidades, Bolsonaro mostrou-se determinado em sua jornada de recuperação. Mesmo com o cancelamento de compromissos devido ao mal-estar, ele permaneceu focado em sua saúde e bem-estar. Sua capacidade de superação e sua resiliência são admiráveis, inspirando todos aqueles que o acompanham. 

À medida que Bolsonaro se prepara para voltar às suas atividades normais, é importante reconhecer sua força e determinação ao enfrentar esse desafio de saúde. Sua recuperação é motivo de comemoração e sua disposição em seguir em frente demonstra sua dedicação ao país e ao povo brasileiro. Que sua jornada de recuperação seja rápida e tranquila, e que ele retorne às suas atividades com renovada energia e saúde. Bolsonaro continua a ser uma figura influente na política brasileira, e sua capacidade de superar obstáculos só fortalece sua posição como líder.

CONFIRA O VÍDEO AQUI

Contato do Cigano

Whatsapp: (48) 99144-5662

Whatsapp: (48) 99178-8723

Fone fixo: (48) 3039-5893

 Edição e texto: Theta Wellington
COMPARTILHAR:

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Arquivo do Site